Língua Franca – Ela

Língua Franca is a new portuguese-brazilian project that just emerged from the collaboration between Capicua, Valete, Emicida and Rael. Ela is the first single from the upcoming album.

lingua franca Ela capicua emicida rael valete

Língua Franca is a new portuguese-brazilian project that just emerged from the collaboration between Capicua, Valete, Emicida and Rael. Ela is the first single from the upcoming album that is being recorded between Lisbon (Portugal) and São Paulo (Brazil). This record is being produced by Kassin, Fred Ferreira and Nave and will be edited by Sony Music Entertainment during the month of May.

Ela (“She“) is a beautiful ode to what speaks transversally to all artists: music. In a relaxed yet upbeat, brazilian-influenced rhythm, the lyrics flow in a magical order. As all of them are what may be categorized under “musicians of intervention” or even “interventionalists”, the lyrics are always the central locus of the song. The way they convey past experiences and how music somehow saved them from falling in a downward spiral is not only inspiring, but also electrifying and, in instances, relatable.

For those of you who understand Portuguese, follow the lyrics below:

[Verse 1: Capicua]
Meu nome é Ana e sou viciada em música
É ela quem me chama quando eu já não estou lúcida
Quando o mundo desaba e o coração se quebra é ela
Que o cola e sara, ela é que me devolve à terra
Ella como Fitzgerald, dura como a battle
Eu gosto dela negra como heavy metal
Bela com som ou a capella, zuca como novela
Tuga como a minha terra ou afro como o Fela
Ela é como um exorcismo e eu cismo em viver dela
É imprevista como um sismo e eu finjo conhecê-la
Se ela é o que eu faço hoje, foi a única saída
E foi um DJ, de facto, que salvou a minha vida

[Verse 2: Emicida]
Noite camufla
Sumo, supra-sumo
Eu, rumo ao abismo
Tipo Gizmo batismo
Domínio, uno
Luzes do globo
Cores do todo diz
Dá até a impressão que todo mundo é feliz
Os ladrão e as meretriz
Brindes de fel
Lembrei da voz do Blues
Os passarinho e as cascavel
Veneno é mel no inferno
Sou Xangô sem alarde
Minha alma não vai se fundir com os covarde
Vim pelo som
Meu bom, meu dom, meu Deus
Zoom no piston, toca, alvo da fé dos ateus
Tonelada e mais tonelada de tretas, sujeira
Solidão como karma e a música de companheira
Fui

[Chorus: Rael]
Ela surge como um vendaval
Força que me faz existir
És enredo do meu Carnaval
Ela é Jamelão, Zé Keti
Ela quem me afasta do mal
Me livra dos pé de breque
Minha oração, ritual
Ela é quem é

[Verse 3: Valete]
Pra mim biográfico, pra ti cinematográfico
Eu estava nos barracos dos bairros problemáticos
Meus putos estavam na batida do dinheiro rápido
A tentar sair do buraco através do narcotráfico
Meu mano Dida disse Viris, vê se te resguardas
Fica na retaguarda, nesta vida não te enquadras
Aqui é só vender quartas, fugir dos guardas
Correria e esquadras, a tua cena são as quadras
Larguei a rua insana, resolvi rimar o panorama
Hoje sentes os quilogramas de versos que eu kamasutro
Divulgo a trama nesta minha rotina suburbana
Componho dramas tão vívidos, chamam-me de dramaturgo
Metade dos meus manos hoje estão encarcerados
Meu mano Osvaldo, baleado e enterrado
Tenho sempre as caras deles nos meus pesadelos
Se não me tivesse afastado teria acabado como eles
Hoje sou eremita, veículo da rima honesta
Compenetrado como um islamita na mesquita
Eu limo arestas nestas palavras funestas
Lágrimas e luto, não há festa nesta escrita

[Chorus: Rael]
Ela surge como um vendaval
Força que me faz existir
És enredo do meu Carnaval
Ela é Jamelão, Zé Keti
Ela quem me afasta do mal
Me livra dos pé de breque
Minha oração, ritual
Ela é quem é

Although the song is full of untranslatable Portuguese terms, we also find comfort in the fact that it’s cadence and poetic rhythmic still sound pretty special. If you ever find yourself in a concert of one of these interpreters, you will feel their aura, their poetry and their essence – and we promise you, in that moment, you’ll be fluent in Portuguese.